Sinecom-JP

2017, um ano de decepções e perdas para o povo brasileiro!

Data publicação: 12/12/2017    Autor: Marcell    Categoria: Eliezer Gomes

Já estamos em dezembro e o ano de 2017 caminha para o seu final. Um ano que fica para nossa história como um período de grandes decepções e perdas para os trabalhadores e para o povo brasileiro. Com o golpe de estado levado a efeito já em 2016 pelo parlamento e pela grande mídia, o país passou a vivenciar um retrocesso político, econômico e social nunca visto, em tempo algum.

No ano que se encerra, o governo golpista de Michel Temer implementou de forma ditatorial (sem ouvir a população), uma agenda de ataques seguidos aos direitos dos trabalhadores, ao patrimônio do povo brasileiro e a soberania nacional.

A agenda do governo golpista, que na realidade contém a fatura a ser paga aos grandes e poderosos grupos empresariais e representantes do setor financeiro, que financiaram e patrocinaram o golpe se inicia com o corte nos investimentos na saúde, educação, segurança pública, dentre outros seguimentos indispensáveis ao desenvolvimento do país e de seu povo.

Nessa agenda fascista do Temer estão ainda a entrega do patrimônio nacional, com a venda da Petrobrás, do pré-sal, Eletrobrás, a flexibilização do território amazônico (permitindo à grupos estrangeiros a exploração das riquezas lá existentes), e o fim das políticas públicas a exemplo do Bolsa Família, FIES, ProUni, Brasil sem Fronteiras... só para citar alguns.

Como se não bastasse esse verdadeiro pacote de maldades, o governo Temer em parceria com o congresso nacional, igualmente golpista tratou de aprovar projetos comprovadamente nocivos aos trabalhadores e trabalhadoras brasileiros, tais como a terceirização (remanescente do início do golpe) e a criminosa reforma trabalhista que rasga a nossa CLT e acaba de vez com a dignidade da classe trabalhadora.

Nessa mesma agenda ainda consta a reforma da previdência, que em sendo aprovada, extinguirá de vez qualquer possibilidade dos trabalhadores brasileiros se aposentarem. Esse projeto encontra-se em discussão no parlamento e corre sérios ricos de ser aprovado, caso não haja uma forte reação popular.

Pois bem, companheiros e companheiras, são esses e outros, os principais pontos que ficarão como legado de um governo usurpador e comprovadamente corrupto, que para se livrar das investigações e do devido processo criminal, se utilizou do dinheiro público para comprar parlamentares e se manter ileso no cargo juntamente com seu corpo ministerial, igualmente corrupto, e continuar o desmando, o entreguismo e a roubalheira.

Em 2018 não podemos parar nossa luta, precisamos resistir... resistir para poder garantir o futuro, nosso e das futuras gerações. Precisamos participar diretamente dessa resistência, nas escolas, nas comunidades, no local de trabalho, nos sindicatos e nas ruas.

Teremos para o próximo ano, também, a oportunidade de escolhermos os nossos representantes no executivo e no legislativo. E essa oportunidade não pode mais ser desperdiçada, como vem acontecendo há séculos. Não votemos em quem votou e vota contra os trabalhadores.

Levantar, resistir, lutar e vencer!

Escrito por: Eliezer Gomes - Diretor do SINECOM e Secretário de Relações Internacionais da CONTRACS-CUT

Tags: