Sinecom-JP

PELA ANULAÇÃO DA REFORMA TRABALHISTA, POR NENHUM DIREITO A MENOS, FORTALEÇA SEU SINDICATO!

Data publicação: 18/09/2017    Autor: Marcell    Categoria: Eliezer Gomes

O governo golpista e ilegítimo de Michel Temer usando de toda sorte de manipulação, fez aprovar no congresso nacional, a mais vergonhosa e criminosa “reforma” contra os trabalhadores e trabalhadoras em toda a história do Brasil.

Usando a máquina e verbas do Estado brasileiro, para comprar e corromper parlamentares, o usurpador Temer investiu de forma implacável na destruição da CLT, reservando para a atual e próximas gerações de brasileiros e brasileiras um “futuro” regressivo, que nos levará de volta à primeira metade do século XVI, guardadas as devidas proporções.

Ao longo dos anos foram muitos os avanços e conquistas do movimento sindical brasileiro; conquistamos o direito à carteira de trabalho assinada, férias, décimo terceiro salário, aposentadoria, jornadas de trabalho menos excessivas, licenças maternidade e paternidade, avanços (mesmo que ainda desproporcional e injustos), da ascenção das mulheres e dos negros no mercado de trabalho, e tantos outros.

Com a aprovação da reforma, que entrará em vigor no próximo mês de novembro, as citadas conquistas vão de água abaixo, tirando de vez a dignidade do povo trabalhador brasileiro.

Ficarão a mercê dos patrões as regras fundamentais da relação entre capital e trabalho –> o estabelecimento da terceirização irrestrita (já em vigor); a jornada intermitente (que quase eliminará o salário do trabalhador); a redução para ½ hora do intervalo para o almoço; a quitação anual (que na prática anistiará o patrão de seus débitos para com o trabalhador); a permissão do trabalho insalubre por parte da mulher gestante (ficando, em tese, a critério do médico da empresa decidir sobre); o fracionamento das férias (dando ao patrão o poder de parcelar e definir, segundo seus exclusivos interesses, os períodos em que o trabalhador deverá “gozá-las”), elastecimento do período de experiência, que passa de no máximo 90 dias, para 180 + prorrogação de 90 ( o que fará dos trabalhadores, meros cobaias), redução drástica na aquisição das verbas do FGTS, multa, e inclusive perda do seguro desemprego; em caso de ações trabalhistas, os trabalhadores passarão a pagar as custas processuais e perícias requeridas.

Os pontos acima relacionados são apenas alguns dos inúmeros que transformam a reforma trabalhista em uma verdadeira tragédia para a classe trabalhadora, para a juventude e para o povo brasileiro!

Além de todas essas perdas de conquistas históricas, o governo fere de morte as entidades de luta e defesa da classe trabalhadora: agride seus sindicatos, federações, confederações e suas centrais sindicais, deixando os trabalhadores sem direitos e desprotegidos, nas mãos da classe patronal.

A reforma e seus efeitos estão previstas para vigorarem a partir de 11 de novembro de 2017, porém, o movimento sindical continua resistindo e convocando a classe trabalhadora no sentido de unirmos nossas forças na luta e na resistência, pela a anulação da reforma trabalhista e pela manutenção dos direitos dos trabalhadores/as.

Mais do que nunca, o momento é de unidade entre os trabalhadores/as. Fortaleça o seu sindicato, seja sócio e participe conosco na luta por nenhum direito a menos.

Tags: